Brinquedotecas hospitalares: espaços de ludicidade e aprendizagem para crianças da educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51399/reunina.v2i2.48

Palavras-chave:

Crianças, Brinqudoteca Hospitalar, Aprendizagem

Resumo

Este artigo resulta de uma pesquisa sobre brinquedotecas hospitalares como espaços de ludicidade e de aprendizagem para crianças da Educação Infantil, que objetivou verificar o perfil das profissionais que atuam nas brinquedotecas hospitalares e quais atividades realizam com as crianças hospitalizadas para aprenderem e desenvolverem-se por meio da ludicidade. Para seu desenvolvimento recorremos a uma revisão de literatura que nos oportunizou aprofundar sobre o referencial teórico básico importante ao desenvolvimento da pesquisa qualitativa realizada, dentre eles destacamos Negrine (2013), Batista; Moreno; Paschoal (2011), dentre outros. As observações foram realizadas na brinquedoteca de um hospital público de Campo Grande/MS, momentos em que observamos as atividades desenvolvidas e as relações estabelecidas entre crianças e professoras. Constatamos que ainda é necessário percorremos um logo caminho para que as práticas de ludicidade nas brinquedotecas hospitalares tornem-se suportes importantes para o desenvolvimento e aprendizagens das crianças.

Biografia do Autor

Thatiana Gonçalves Ignacio, Semed/CG

Professora da Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/MS. Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Educação da UFMS. Licenciada em Matemática, especialista em Educação Inclusiva e Especial, especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pelo Centro Universitário Faveni

Ordália de Almeida, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação; Professora titular aposentada da UFMS; Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Estadual de Educação; Membro do Fórum Permanente de Educação Infantil de MS; Membro da Rede Nacional da Primeira Infância e Professora da Faculdade Insted - Campo Grande-MS

Milene Bartolomei Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação; Diretora da Faculdade de Educação/UFMS, professora do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação/UFMS; Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Desenvolvimento Humano e Inclusão (GEPEDHI) CNPq - da linha de pesquisa Educação, Saúde e Práticas Educacionais. Membro do Fórum Permanente de Educação Infantil de MS.

Referências

AZEVEDO, Antonia Cristina Peluso de. Brinquedoteca no diagnóstico e intervenção em dificuldades escolares. Edição Especial. Campinas, São Paulo: Editora Alínea, 2011.

BATISTA, CleideVictor Mussini; MORENO, Gilmara Lupion; PASCHOAL, Jaqueline Delgado. (Re) Pensando a Prática do Educador Infantil. In: SANTOS, Santa Marli Pires dos Santos (org.). Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 7. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

BRASIL. CNE. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. MEC. SEE. Política Nacional de Educação Especial. Brasília, MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Decreto n° 7.611, de 17/11/2011. A educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. DOU, Brasília, DF, 18 nov. 2011b. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm>. Acesso em: 08/02/ 2018.

BRASIL. MEC. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Secretaria de Educação Especial. Brasília, DF. SEESP, 2002.

BRASIL. Lei n°.11.104, de 21/03/2005. Obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11104.htm>. Acesso em 30 de out. 2017.

BRASIL. Lei nº. 8080. Condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF: Senado, 1990. (COMITE DE ÉTICA)

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedista Hospitalar. In: VIEGAS, D. (Org.). Brinquedoteca hospitalar: Isto é humanização. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2007.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. O Brincar e as Necessidades Especiais. In SANTOS, Santa Marli Pires dos Santos (org.). Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 7. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

FORTUNA, Tânia Ramos. Brincar, Viver e Aprender: Educação e Ludicidade no Hospital. In: VIEGAS, Drauzio. (Org.). Brinquedoteca hospitalar: Isto é humanização. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2007.

GIMENES, Beatriz Piccolo. O Brincar e a Saúde Mental. In: Brinquedoteca hospitalar: Isto é humanização. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2007.

KOVÁCS, Maria Julia. A Criança e a Morte. In: VIEGAS, Drauzio. (Org.). Brinquedoteca hospitalar: Isto é humanização. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2007.

NEGRINE, Airton. O Lúdico no Contexto da Vida Humana: Da Primeira Infância à Terceira Idade. In: SANTOS, Santa Marli Pires dos Santos (org.). Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 7. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

OLIVEIRA, Lecila Duarte Barbosa. A brinquedoteca hospitalar como fator de promoção no desenvolvimento infantil: relato de experiência. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano. 2009; 19(2): 306-312.

OLIVEIRA, Vera Barros de. O Lúdico na Realidade Hospitalar. In: VIEGAS, Drauzio. (Org.). Brinquedoteca hospitalar: Isto é humanização. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2007.

SANTOS, Santa Marli Pires dos Santos (org.). Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 7. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

VIEGAS, Drauzio. (Org.). Brinquedoteca hospitalar: Isto é humanização. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2007.

Downloads

Publicado

2021-05-06

Como Citar

Ignacio, T. G., de Almeida, O., & Silva, M. B. (2021). Brinquedotecas hospitalares: espaços de ludicidade e aprendizagem para crianças da educação infantil. Revista De Educação Da Unina, 2(2). https://doi.org/10.51399/reunina.v2i2.48

Edição

Seção

Artigo