Conotação formativa da linguagem em Ludwig Wittgenstein.

Autores

Palavras-chave:

Conotação, linguagem, Wittgenstein

Resumo

Analisar a conotação formativa da linguagem quando travada pelo conhecimento metafísico é a meta proposta da investigação, tendo como referência a filosofia de Ludwig Wittgenstein (1889-1951). Bem sabemos, em relação ao conhecimento, desde a Grécia antiga ou medieval e, ainda hoje, grande parte dos filósofos insistem em construir um sistema de proposições universalmente válidas. Para tanto, é necessário, antes de tudo, fazer uma exposição histórica das questões epistemológicas que levaram esse filósofo a entender que a linguagem é um caminho seguro e pode oferecer uma solidez não apenas à linguagem, mas também ao trabalho da filosofia. E assim, em seguida, debruçar à demonstração das razões que nos levam a entender que as pretensões filosóficas nem sempre são legítimas como assim pensavam os tradicionais da filosofia. Digamos de passagem, nossa reflexão é trivial na esfera filosófica. Alavancado metodologicamente por uma trilha analítica, o trabalho se divide em dois momentos, o primeiro, aborda questões sobre o conhecimento metafísico e a aparente pretensão finalística de um suposto conhecimento metafísico, num segundo momento, trata-se de investigar a linguagem na dimensão dos jogos de linguagem. As fontes principais de investigação são: Tractatus Logico-Philosophicus (1968) e, Investigações Lógicas (1999).                   

Biografia do Autor

José de Oliveira, Universidade Federal de Jataí

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de São Carlos, bolsa Capes na Universidade de Coimbra, Portugal. Mestre pelo PPGE na Universidade Federal de Goiás. Pós-grauação em Comunicação Social, Universidade de São Francisco SP Licenciado em Filosofia pela ESESEE/Brusque Santa Catarina, Formado Administração Rural - UFLA - Lavras, MG. Professor Adjunto da UAE/EDU da Universidade Federal de Goiás/REJ. Editor da Revista Itinerarius Reflectionis.oordenador grupo de paideia aristotélica e tomista. Coordenador do Curso de Pedagogia (2005 a 2007) da Regional Jataí. Tem experiência na área de filosofia da educação,  paideia clássica, etica aristotélica, em história da educação com ênfase em cultura e processos educacionais. 

Referências

AGOSTINHO, Santo. Confissões e de Magistro. Trad. J. Oliveira e A. Ambrósio de Pina. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

ARISTÓTELES. Da alma. Trad. Carlos Aberto Gomes. Lisboa: Edições 70, 2001.

ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. José Ferreira Borges. Lisboa: Areal Editores, 2005.

AUSTIN, J. L. Philosophical papers. 2 ed. Oxford: At Clarendon Press, 1970. Disponível em: <http://www.spiritual-minds.com/philosophy/assorted/Austin,%20John%20-%20Philosophical%20Papers%202ed%20-%20Philosophy%20of%20Language.pdf>Acesso em abril de 2016.

___. Sentido e percepção. Trad. Armando Manuel Mora de Oliveira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

DELEUZE, Gilles GUATTARY. O que é filosofia? Trad. Bento Prado Jr. Alberto Alonso Munõs. São Paulo: Editora 34, 2004.

GILSON, Etienne. A filosofia na idade média. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

GONZÁLES, Sebastián Salgado. Bertrand Russel: un viaje a los fundamentos de la verdade. Cadernos de Filosofia. DUERERÍAS Septiembre. p. 1-71. 2011. Disponível em: <http://guindo.pntic.mec.es/ssag0007/filosofica/Russell.pdf >Acesso em abril de 2016

HUME, David, Ensaio sobre o entendimento humano 1748. Trad. Anoar Aiex. Fonte Digital, 2006. Disponível em: <http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/hume.html> Acesso em maio de 2016.

MARCONDES, Danilo. Filosofia analítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

MOORE, George Edward. Princípios éticos escritos filosóficos, problemas fundamentais de filosofia. Trad. Hugh Lacey. Luiz João Baraauna. Pablo Rubém Mariconda. São Paulo: Abril Cultural, 1995. (Os Pensadores)

NIETZSCHE Friedrich. A filosofia na idade trágica dos gregos. Lisboa: Edições 70, 2009.

PARMÊNIDES. Da natureza. Trad. José Gabriel Trindade Santos. São Paulo, Edições Loyola, 2002. Disponível em: < https://jadirantunes.files.wordpress.com/2014/12/parmc3aanides-de-elc3a9ia-da-natureza.pdf > Acesso em agosto de 2021.

PLATÃO. Mênon. Tradução. Maura Iglésias. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 2001.

SILVA, Marcio Bolda da. Metafísica e assombro - curso de ontologia. São Paulo: Paulus, 1994.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda. 1999. Disponível em: < https://marcosfabionuva.files.wordpress.com/2011/08/investigac3a7c3b5es-filosc3b3ficas.pdf

>Acesso em abril de 2016.

___. Tractatus logico-philosophicus. Trad. José Arthur Giannotti. São Paulo. Companhia Editora Nacional-Editora da Universidade de São Paulo, 1968. (Filosofia). Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/0B2a3UynNKV2CM0IxdVUycjA0SVk/view> Acesso em agosto de 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-24

Como Citar

de Oliveira, J. (2021). Conotação formativa da linguagem em Ludwig Wittgenstein. Revista De Educação Da Unina, 2(3). Recuperado de https://revista.unina.edu.br/index.php/re/article/view/70

Edição

Seção

Artigo